terça-feira, 28 de novembro de 2017

Caríssimo Amigo Zé, tenho andado preocupado com o seu silêncio, quer por falta de resposta aos e.mails quer por ausência de reacção aos textos que aqui coloco. Desejo que esteja de boa saúde física e que a sua mente o deixe continuar a viver de forma agradável. Se puder, dê-me um endereço de e-mail de familiar ou amigo que me possa dar notícias suas. A minha consideração e amizade por si origina o desassossego esta falta de notícias me está a causar. Sei a sua morada mas, na minha actual situação, não é prático ir lá procurar saber de si. Grande abraço.

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

DÊ NOTÍCIAS

AMIGO ZÉ, Tenho andado preocupado com a falta de notícias suas. O que se passa? Coloquei aqui algo que pretendia ser um desafio para o amigo dar uma opinião e nad apareceu. Amanhã é 25 de Novembro. Reanime-se e saia do seu isolamento. Quero que se encontre bem de saúde e goze a vida. Um abraço com os melhores votos.

domingo, 5 de novembro de 2017

DROGA MUITO TÓXICA


Perante tantos perigos e inconvenientes, todos os cuidados são poucos. Deve evitar-se o seu uso em movimento.

PARA AS NAUS A HAVER


Transcrição de texto com intenção de reactivar este blog de um AMIGO cujo mérito merece a maior consideração de quem o conhece e avalia seriamente os seus valores. Abraço ao Zé.

«Para as naus a haver»
(Publicado no semanário O DIABO em 31 de Outubro de 2017)

É sobejamente sabido que a continuidade de um comportamento rotineiro sem lhe inserir alterações, actualizações ou adequações à evolução ambiental, provoca uma degradação persistente que conduz à anulação da intenção inicial. «Parar é morrer». No entanto, isto tem sido ignorado pelos governos e instituições públicas que justificam o acerto das suas atitudes por estarem inseridas naquilo que vinha do anterior. Isso foi notório no SIRESP e na ANPC.

Mas isto não significa que deva ser passada uma esponja que apague toda a experiência do passado, porque dele podemos, e devemos saber, tirar lições muito importantes, que nos ensinam a construir um futuro mais benéfico para o país. Agora foi recordado, com a notícia da destruição, pelo fogo, do célebre pinhal de Leiria que este foi plantado no reinado de D. Dinis para ter madeira «para as naus a haver» as quais permitiriam tirar proveito da nossa óptima localização geográfica com grande importância marítima. Representou olhos postos no longo prazo, indicação de inteligência e amor ao País, pensando nas gerações futuras. E a essa decisão com olhos postos no futuro proporcionou à equipa dirigida pelo Infante D. Henrique tomar decisões também focadas no longo prazo que conduziram aos descobrimentos que deram «novos mundos ao Mundo» e que foram a semente da globalização que veio a ser concretizada em anos recentes.

Seria bom que os actuais responsáveis pelo País imitassem estes pontos altos da história e se preocupassem mais com o futuro do que com os pequenos acontecimentos surgidas pela falta de prevenção, isto é, pela sua incompetência e inacção que os tem mantido a chafurdar no pântano da continuidade rotineira e demolidora, com a miopia que os não deixa olhar para o futuro com estruturas actualizadas e preventivas que evitem a repetição de erros demasiado velhos e repetidos, como os incêndios, que não foram evitados por medidas de protecção civil e de reforma da defesa das florestas, nem devidamente combatidos por falta de boa preparação dos agentes e por desajustada qualidade da comunicação.

O exposto no primeiro parágrafo foi confirmado pala atitude do PM que disse, há poucos dias, que seria «criancice» mudar de MAI. Mas o PR, com base no relatório da comissão de independentes sobre o ocorrido em Pedrógão Grande, incitou-o a fazer mudanças positivas para evitar desaires semelhantes e, então, o PM deixou de considerar «criancice» aquela e outras mudanças.

Nisto, como em muitos outros temas, as Forças Armadas dão exemplos a seguir, em que os factores da autoridade e da hierarquia não são os mais significativos. Qualquer decisão, táctica ou estratégica, é precedida por «estudo da situação» em que a missão é analisada, bem como as possibilidades do inimigo, as condições meteorológicas, o terreno, os meios e a sua utilização, e a comparação das possíveis modalidades de acção, para escolha da melhor. De decisão assim preparada, sai uma ordem de operações, e a posterior observação da «conduta da operação» a fim de, se necessário, serem introduzidas alterações adequadas a fazer face a aspectos novos dos factores da decisão, principalmente do inimigo. Nada é rígido e definitivo porque, se o fosse, aconteceria o que se referiu no primeiro parágrafo, como derrotas sucessivas até à definitiva. Não é «criancice» fazer retoques num plano inicial a fim de com ele se procurar atingir o objectivo final desejado.

O novo Secretário de Estado da Proteção Civil, engenheiro José Artur Neves, prefere a prevenção ao combate dos incêndios. e salienta que o investimento em meios de combate poderia "alimentar a ideia de que há aqui uma indústria de combate aos incêndios, que é perniciosa para todo este processo". Esperamos e desejamos que não se fique por estas palavras e as concretize, para os bons resultados «a haver».

A João Soares
24 de Outubro de 2017