terça-feira, 16 de junho de 2015

... A QUADRATURA DO CIRCULO ...


Os idosos precisam de solidariedade.
“Tenho ido visitar pessoa amiga internada numa Casa de Repouso em CASCAIS e saio sempre preocupado, com as condições do fim da vida de muita gente que, embora se encontre num lar com pessoal carinhoso e eficiente, vive abandonada pelos familiares e amigos que o esqueceram. Há pessoas muito deficientes e afastadas do mundo real, que precisam de receber visitas frequentes de familiares e de amigos.
Por seu lado, as comunicações entre os residentes raramente são animadoras, dado o seu estado de saúde mental e desgaste psíquico agravado pelas saudades dos seus anteriores «amigos» conhecidos e familiares que deixaram de lhes dar um mínimo de afecto e carinho.
Muitas pessoas que conhecem um destes idosos a quem dirigiam palavras amáveis, de ocasião, provam agora que não sentiam por eles um mínimo de afecto de amizade. Por vezes, perguntam por eles no café ou no restaurante onde os encontravam, mas não dão um passo para fazer um gesto, um carinho, um afago que anime e melhore a qualidade de vida psíquica da pessoa de quem era suposto serem amigas. Não interessa levar uma guloseima, mas dizer uma palavra amiga, fazer uma carícia na mão ou na face, o que não custa dinheiro. Mesmo quem trabalha o dia inteiro, pode fazer isso, ocasionalmente, depois do trabalho ou no fim-de-semana.  
A SOCIEDADE É POUCO SOLIDÁRIA E OS IDOSOS SÃO OS MAIS PENALIZADOS POR ISSO. PENSEMOS NAQUILO QUE GOSTAREMOS DE SENTIR QUANDO ESTIVERMOS EM SITUAÇÃO SEMELHANTE.
Não custa muito, num momento mais livre, comunicar com um conhecido que esteja solitário em casa ou internado num lar e transmitir-lhe uma palavra de conforto, de amizade, de afecto que o ajude a enfrentar com mais ânimo as suas dificuldades. E, numa visita a uma casa de repouso ou lar, procurar transmitir afecto também a outros residentes.
É preciso alertar na Internet as pessoas para tal necessidade de solidariedade.”
A João Soares


 
OS VALORES HUMANOS FALHAM EM PROL DO DINHEIRO
L  É a sociedade do TER em vez do SER L

 
EXEMPLO, em termos gerais, DO QUE SE PASSA
Um DESautarca/um DESgovernante quer adjudicar uma obra e obtêm 3 empresas interessadas:
Uma polaca, uma alemã e uma portuguesa.
 Faço por 3 milhões - disse o polaco:
 - Um pela mão-de-obra,
 - Um pelo material e
 - Um para meu lucro.

  Faço por 6 milhões -
propôs o alemão:
 - Dois pela mão-de-obra,
 - Dois pelo material e
 - Dois para mim.
 - Mas o serviço é de primeira.

  Faço por 9 milhões -
disse o português.
 -
Nove?!?  É demais!!! Por quê?!?- Espantou-se o presidente:
 - Três para mim,
 - Três para si,
 - Três para os polacos fazerem a obra...

 
                                                                    Adjudicada! (disse logo o presidente)
 
 

1 comentário:

  1. Sou altruísta, voluntária a tempo inteiro... aqui, perto de mim e mais além, ali... onde sei que um sorriso, uma atenção, uma caricia podem fazer a diferença dos dias de solidão, quase clausura, depois de uma vida cheia, plena de amor, de ternura dedicada aos seus filhos, à família, a quem eles mais amam e àqueles com quem supostamente poderiam contar. Sei que é por si só, porque os escuto, um sofrimento que só eles sabem explicar, e classificar o quanto este acto de abandono os magoa. Falo dos nossos idosos deixados pela família em abrigos, esquecidos nos hospitais, mandados para lares onde maioria não recebe visitas, nem mesmo na sua própria casa, onde as datas mais importantes e especiais, que o foram no passado, deixaram de existir. Chegar à terceira idade é, hoje, um verdadeiro drama de solidão e existem histórias de vida verdadeiramente tristes!

    ResponderEliminar