domingo, 5 de outubro de 2014

A promiscuidade dos DESgovernantes

Texto de uma carta enviada pela APRE! ao Expresso e que não foi publicada.
 (recebido por mail, através da direcção da Associação)

 “Aposentados, pensionistas e reformados
A nossa história não acaba assim!”

Os aposentados, pensionistas e reformados têm uma história, da qual se devem orgulhar.
Com efeito, os actuais pensionistas portugueses nasceram antes, durante ou pouco depois da 2ª Guerra Mundial, numa sociedade essencialmente agrícola, com um elevadíssimo índice de analfabetismo. Mais tarde enfrentaram uma guerra colonial, em quatro frentes: Angola, Moçambique, Guiné e Timor. Quis o destino que a nossa vida fosse consumida a implantar a democracia, a realizar a descolonização, a construir a sociedade industrial e depois a sociedade de serviços; a transformar o analfabetismo em conhecimento e ciência, substituindo os quartéis militares por universidades e politécnicos, dispersos pelo país. O prémio de todo o nosso esforço parecia estar na adesão à então CEE, actual União Europeia, com uma tal energia e entusiasmo que integrámos o pelotão da frente da moeda única, o euro.
Quando hoje se diz que a actual geração jovem do país é a melhor preparada de sempre, está a dizer-se que nunca antes os pais preparam a sociedade e investiram tanto nos filhos, para lhes dar um futuro que os próprios pais não tiveram.
Quando os jovens se queixam de pagar impostos e a segurança social para pagarem as pensões dos actuais pensionistas, esquecem-se que os pais podiam não ter investido neles e egoisticamente terem poupado para a sua reforma.
Quando hoje uns senhores de ideologia liberal dizem que o Estado não produz riqueza para pagar as reformas, estão a dizer que não querem pagar impostos para gente que não produz, constituindo uma espécie de resíduo social, esquecendo-se dos benefícios que usufruem, em consequência das transformações sociais que levamos a efeito.
Quando hoje se diz que para atingir as metas orçamentais impostas pela Tróica, sob caução do Governo, tem de se cortar na despesa social, esquecem-se que a despesa social e os vínculos legalmente constituídos já existiam quando tomaram a decisão de atingir tais metas. Governantes sérios e honestos não podem decidir e assumir compromissos com  terceiros que não possam cumprir. Os governantes não são proprietários do poder, desses tratámos nós, os governos governam em nome do povo.
É lamentável a máquina que está montada na comunicação social contra os reformados, pobres ou da classe média. Jornalistas, analistas e comentadores apelando a cortes sobre cortes, achincalhando a Constituição (que também já existia antes de assumirem compromissos irrealistas), implorando à sua violação, esquecem-se que estão a «cavar a sua própria sepultura». Um Estado, integrado na União Europeia, é obrigado a agir de boa-fé, como uma pessoa de bem. Um Estado que agora viola princípios e desrespeita direitos passa a violar sempre e a desrespeitar sempre que isso lhe convém.
Nós não admitiremos que governantes inexperientes, idealistas e manipuladores políticos desrespeitem os nossos direitos, conquistados ao longo duma vida de trabalho e de transformação social. Seremos coerentes com a nossa história, seria triste, muito triste, se ela acabasse assim.
Maria do Rosário Gama, Presidente da Direcção da Apre!
Carlos Frade, Presidente do Conselho Fiscal da Apre!
 
_____________________________________________________________
 
COM ESTES “senhores” A BOA-FÉ ESTÁ DEMONSTRADA NO QUADRO EM CIMA, onde se pode ver a promiscuidade entre os DESgovernantes e o Grupo Espirito Santo.
Com O BPN foi igual L
video
E, assim, esta trupe vai continuar a DESgraçar todo um País, onde os elos mais fracos são SEMPRE os primeiros a pagar !
Reformas, Empregos, Segurança Social, Ensino, Saúde, Tribunais/Justiça, Futuro dos nossos filhos e netos =>
está tudo hipotecado por esta gentalha !
LLLLLLLL

 “simplesmente”  

Sem comentários:

Enviar um comentário