domingo, 21 de abril de 2013

PASSOS EMENDA ERRO ANTIGO. SERÁ QUE AGORA ACERTA?


A notícia Berta Cabral substitui Paulo Braga Lino na Defesa não surpreende quanto à segunda parte do título, porque não é fácil esquecer os pormenores das notícias relativamente recentes (com cerca de cinco semanas), relacionadas com o governante agora substituído, intituladas Governante usa carro do Estado para fins particulares e Secretário de Estado diz não usar viaturas oficiais para fins particulares. Ele podia ter usado uma desculpa, mesmo que «esfarrapada», mas preferiu mentir descaradamente, quando os jornalistas tinham pormenores de que, de acordo com o texto do jornal, não estava a falar verdade.

Será que podemos acreditar nos governantes? Será que os militares não devem, desde já, reclamar a revisão de todas as determinações decididas por Paulo Braga Lino? Será que a Justiça não deve investigar todos os seus actos, inclusivamente os eventuais negócios entre a sua empresa, Fundição Felino, em Ermezinde, e o Estado, bem como as eventuais relações de amizade, cumplicidades e conivências entre ele e o Ministro das «five stars»?

Imagem de arquivo

2 comentários:

  1. Costuma dizer-se "Mais vale tarde do que nunca"...

    Independentemente dos cargos, TODOS deviam ser alvo de investigação!!! Ninguém está acima da lei, diz-se...Mas pratica-se?

    :( :(

    ResponderEliminar
  2. É certo que um erro deve ser emendado com celeridade, mas nunca é tarde para justificar não o fazer.
    Mas o que agora interessa mais é a segunda parte do título do post: Será que desta vez acerta? O facto de a nova governante ser pessoa grada do partido, ter sido líder nos Açores e ter sido candidata a Presidente do Governo local não é só por si garantia de que venha a ser boa secretária de Estado num Ministério tão sensível. Ali e também em todo o Governo as pessoas deviam ser seguidoras das «virtudes militares». Tal termo não é fantasia. Veja-se o que aconteceu com Valentim Loureiro. Foi expulso do Exército por infringido o conjunto de «Deveres militares». Mas depois foi gente grande no futebol, na POLÍTICA, nas empresas. O que mostra a lassidão de que estes sectores da vida nacional enfermam. Veja a palhaçada do actual MDM que se mascara de almirante de cinco estrelas ele que nunca soube vestir uma farda, honrando-a. Há infantilidades incompatíveis com pessoas que estão investidas em altos cargos nacionais.

    Abraço
    João

    ResponderEliminar