segunda-feira, 15 de abril de 2013

PASSOS E OS SEUS PASSES DE MÁGICA


Passos tem sido um persistente «aprendiz de feiticeiro», de ilusionista, de prestidigitador ou de mágico. Ganhou as eleições com promessas que depois não procurou cumprir nem poderia cumprir, por não serem viáveis. Mas isso teria acabado, como é habitual, depois da contagem dos votos. No entanto, nesse momento, careceu de perspicácia para ver que a sua vida iria ser diferente ao assumir a responsabilidade de governar, para o que é conveniente a transparência, a verdade, a sensatez, o contacto com as realidades.

O resultado foi teimar com as promessas e com as previsões «asseguro que…», «garanto que…», «custe o que custar» e, por isso, os desaires sucederam-se, reduzindo o poder de compra, secando a actividade económica, levando empresas à falência e criando uma espiral de desemprego e de recessão que ainda não deixou de ser aflitiva para a grande maioria dos portugueses, que continuam sem ver uma luz ao fundo do túnel.

De vez em quando, faz mais um passe de mágica e tira mais um coelho da cartola, para iludir o povo, como tem sido seu timbre, e diz que quer aproximar salários do público e do privado.

Será bom que comece a explicar as suas fantasias, para que haja quem possa acreditar nelas, com alguma ponta de razão e de confiança. Será que tal convergência se irá aplicar aos motoristas dos gabinetes que ganham mais do que um técnico superior com 40 anos de carreira e passarão a receber o mesmo que um seu colega da administração de uma empresa privada?
Ou será que vão ser equiparados os salários de especialistas e assessores recém licenciados, contratados para os gabinetes com vencimentos que chegam a atingir cinco mil euros mensais, mais mordomias aos dos técnicos superiores da função pública ou da actividade privada?

Como nem todos os cidadãos são desprovidos de inteligência e gostam de compreender as palavras dos governantes e o uso dado ao dinheiro dos seus impostos, será conveniente evitar deitar «fumaça» para os olhos dos eleitores e dos contribuintes.

Imagem de arquivo

Sem comentários:

Enviar um comentário