sexta-feira, 30 de novembro de 2012

CARTA ABERTA A PASSOS COELHO



 
Exmo. Senhor Primeiro-Ministro,

Os signatários estão muito preocupados com as consequências da política seguida pelo Governo.



À data das últimas eleições legislativas já estava em vigor o Memorando de Entendimento com a Troika, de que foram também outorgantes os líderes dos dois Partidos que hoje fazem parte da Coligação governamental.
O País foi então inventariado à exaustão. Nenhum candidato à liderança do Governo podia invocar desconhecimento sobre a situação existente. O Programa eleitoral sufragado pelos Portugueses e o Programa de Governo aprovado na Assembleia da República, foram em muito excedidos com a política que se passou a aplicar. As consequências das medidas não anunciadas têm um impacto gravíssimo sobre os Portugueses e há uma contradição, nunca antes vista, entre o que foi prometido e o que está a ser levado à prática.
Os eleitores foram intencionalmente defraudados. Nenhuma circunstância conjuntural pode justificar o embuste.
Daí também a rejeição que de norte a sul do País existe contra o Governo. O caso não é para menos. Este clamor é fundamentado no interesse nacional e na necessidade imperiosa de se recriar a esperança no futuro. O Governo não hesita porém em afirmar, contra ventos e marés, que prosseguirá esta política - custe o que custar - e até recusa qualquer ideia da renegociação do Memorando.
Ao embuste, sustentado no cumprimento cego da austeridade que empobrece o País e é levado a efeito a qualquer preço, soma-se o desmantelamento de funções essenciais do Estado e a alienação imponderada de empresas estratégicas, os cortes impiedosos nas pensões e nas reformas dos que descontaram para a Segurança Social uma vida inteira, confiando no Estado, as reduções dos salários que não poupam sequer os mais baixos, o incentivo à emigração, o crescimento do desemprego com níveis incomportáveis e a postura de seguidismo e capitulação à lógica neoliberal dos mercados.
Perdeu-se toda e qualquer esperança.
No meio deste vendaval, as previsões que o Governo tem apresentado quanto ao PIB, ao emprego, ao consumo, ao investimento, ao défice, à dívida pública e ao mais que se sabe, têm sido, porque erróneas, reiteradamente revistas em baixa.
O Governo, num fanatismo cego que recusa a evidência, está a fazer caminhar o País para o abismo.
A recente aprovação de um Orçamento de Estado iníquo, injusto, socialmente condenável, que não será cumprido e que aprofundará em 2013 a recessão, é de uma enorme gravidade, para além de conter disposições de duvidosa constitucionalidade. O agravamento incomportável da situação social, económica, financeira e política, será uma realidade se não se puser termo à política seguida.
Perante estes factos, os signatários interpretam - e justamente - o crescente clamor que contra o Governo se ergue, como uma exigência, para que o Senhor Primeiro-Ministro altere, urgentemente, as opções políticas que vem seguindo, sob pena de, pelo interesse nacional, ser seu dever retirar as consequências políticas que se impõem, apresentando a demissão ao Senhor Presidente da República, poupando assim o País e os Portugueses ainda a mais graves e imprevisíveis consequências.
É indispensável mudar de política para que os Portugueses retomem confiança e esperança no futuro.
PS: da presente os signatários darão conhecimento ao Senhor Presidente da República.
Lisboa, 29 de Novembro de 2012

MÁRIO SOARES ADELINO MALTEZ (Professor Universitário-Lisboa) ALFREDO BRUTO DA COSTA (Sociólogo) ALICE VIEIRA (Escritora) ÁLVARO SIZA VIEIRA (Arquiteto) AMÉRICO FIGUEIREDO (Médico) ANA PAULA ARNAUT (Professora Universitária-Coimbra) ANA SOUSA DIAS (Jornalista) ANDRÉ LETRIA (Ilustrador) ANTERO RIBEIRO DA SILVA (Militar Reformado) ANTÓNIO ARNAUT (Advogado) ANTÓNIO BAPTISTA BASTOS (Jornalista e Escritor) ANTÓNIO DIAS DA CUNHA (Empresário) ANTÓNIO PIRES VELOSO (Militar Reformado) ANTÓNIO REIS (Professor Universitário-Lisboa) ARTUR PITA ALVES (Militar reformado) BOAVENTURA SOUSA SANTOS (Professor Universitário-Coimbra) CARLOS ANDRÉ (Professor Universitário-Coimbra) CARLOS SÁ FURTADO (Professor Universitário-Coimbra) CARLOS TRINDADE (Sindicalista) CESÁRIO BORGA (Jornalista) CIPRIANO JUSTO (Médico) CLARA FERREIRA ALVES (Jornalista e Escritora) CONSTANTINO ALVES (Sacerdote) CORÁLIA VICENTE (Professora Universitária-Porto) DANIEL OLIVEIRA (Jornalista) DUARTE CORDEIRO (Deputado) EDUARDO FERRO RODRIGUES (Deputado) EDUARDO LOURENÇO (Professor Universitário) EUGÉNIO FERREIRA ALVES (Jornalista) FERNANDO GOMES (Sindicalista) FERNANDO ROSAS (Professor Universitário-Lisboa) FERNANDO TORDO (Músico) FRANCISCO SIMÕES (Escultor) FREI BENTO DOMINGUES (Teólogo) HELENA PINTO (Deputada) HENRIQUE BOTELHO (Médico) INES DE MEDEIROS (Deputada) INÊS PEDROSA (Escritora) JAIME RAMOS (Médico) JOANA AMARAL DIAS (Professora Universitária-Lisboa) JOSÉ MANUEL PIRES (Professor) JOÃO CUTILEIRO (Escultor) JOÃO FERREIRA DO AMARAL (Professor Universitário-Lisboa) JOÃO GALAMBA (Deputado) JOÃO TORRES (Secretário-Geral da Juventude Socialista) JOSÉ BARATA-MOURA (Professor Universitário-Lisboa) JOSÉ DE FARIA COSTA (Professor Universitário-Coimbra) JOSÉ JORGE LETRIA (Escritor) JOSÉ LEMOS FERREIRA (Militar Reformado) JOSÉ MEDEIROS FERREIRA (Professor Universitário-Lisboa) JÚLIO POMAR (Pintor) LÍDIA JORGE (Escritora) LUÍS REIS TORGAL (Professor Universitário-Coimbra) MANUEL CARVALHO DA SILVA (Professor Universitário-Lisboa) MANUEL DA SILVA (Sindicalista) MANUEL MARIA CARRILHO (Professor Universitário) MANUEL MONGE (Militar Reformado) MANUELA MORGADO (Economista) MARGARIDA LAGARTO (Pintora) MARIA BELO (Psicanalista) MARIA DE MEDEIROS (Realizadora de Cinema e Atriz) MARIA TERESA HORTA (Escritora) MÁRIO JORGE NEVES (Médico) MIGUEL OLIVEIRA DA SILVA (Professor Universitário-Lisboa) NUNO ARTUR SILVA (Autor e Produtor) ÓSCAR ANTUNES (Sindicalista) PAULO MORAIS (Professor Universitário-Porto) PEDRO ABRUNHOSA (Músico) PEDRO BACELAR VASCONCELOS (Professor Universitário-Braga) PEDRO DELGADO ALVES (Deputado) PEDRO NUNO SANTOS (Deputado) PILAR DEL RIO SARAMAGO (Jornalista) SÉRGIO MONTE (Sindicalista) TERESA PIZARRO BELEZA (Professora Universitária-Lisboa) TERESA VILLAVERDE (Realizadora de Cinema) VALTER HUGO MÃE (Escritor) VITOR HUGO SEQUEIRA (Sindicalista) VITOR RAMALHO (Jurista) - que assina por si e em representação de todos os signatários

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Dividir o mal pelas aldeias !!!

Passos disse que o Governo quer salvar Estado social “distribuindo o mal pelas aldeias”, mas no estado em que o País se encontra, com as aldeias a passarem por tanto sofrimento e desespero, seria melhor dar prioridade às cidades na distribuição do mal !!!

Isto é, convém fazer passar a ideia e a realidade de que o Governo não pretende continuar a favorecer os que mais podem.

Para uma verdadeira «justiça social» seria preferível usar um lema do tipo «dos que podem aos que precisam».

Imagem de arquivo

sábado, 24 de novembro de 2012

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

J. F. Kennedy no ano1963 D. Cristo

Uma carta revelada que foi escrita por John F. Kennedy para o diretor da CIA mostra que o então presidente dos Estado Unidos exigiu que lhes fossem mostrados documentos altamente confidenciais a respeito de OVNIs, isto 10 dias antes do seu assassinato !!!  Estranho, não é ???...
O memorando secreto é uma das duas cartas “desoprimidas” pela CIA, quer foram escritas por JFK a pedir essa informação no dia 12 de Novembro de 1963.
O interesse do presidente pouco tempo antes do seu assassinato provavelmente deu desvendaria algumas coisas interessantes.
O documento da CIA ajuda a confirmar uma carta anteriormente descoberta, na qual o diretor da CIA, escreveu que JFK … fez  algumas perguntas sobre as nossas actividades, que não podemos permitir que ele saiba….
Aparentemente, a carta foi recebida por um investigador de OVNIs em 1999, mas nunca foi confirmada.
Os pesquisadores dizem que estes documentos colocam um peso na sugestão de que o presidente foi assassinado para o impedir de descobrir a verdade sobre os OVNIs.
No primeiro dos documentos secretos que foi “desoprimido” pela CIA, mostra a carta de John Kennedy exigindo a liberdade de ver dos arquivos sobre OVNIs. No segundo, enviado para o administrador da NASA, o presidente expressa o seu desejo de cooperação com a antiga União Soviética sobre atividades mútuas no espaço.
Os documentos anteriormente confidenciais foram “desoprimidos”  pela lei Freedom of Information Act (Legislação sobre Liberdade de Informação), ao professor de história William Lester, como parte da sua pesquisa para um novo livro sobre JFK.
O professor disse que o interesse de JFK pelos OVNIs poderia ter sido aumentado devido às preocupações sobre as relações com a antiga União Soviética.
Uma de suas preocupações era que muitos destes OVNIs estavam a ser avistados na União Soviética e ele estava muito preocupado que os soviéticos poderiam ver isso como uma agressão dos Estados Unidos. Eu acho que esta é uma das razões porque ele queria ter as informações e tirá-las da exclusividade da jurisdição da NASA, para poder informar com rigor os soviéticos:
Olhem, que não somos nós que estamos a sobrevoar o vosso espaço aéreo“, disse o professor Lester ao AOL News.

Vê o original de uma das cartas escritas por JFK ao diretor da CIA em 1963:
 
 

 OS GRANDES HOMENS...
VÃO SENDO ELIMINADOS  :'(
e… ficam as bestas

 

SENTE e…
VÊ COMO SOMOS
PEQUENISSÍMOS




 
 
 
 
“mundos” paralelos...

O TEMPO SEMPRE FOI RELACTIVO

 



 

Governar é tomar medidas a favor da Nação

Governar é tomar decisões e medidas, para o que devem ser tidos em consideração todos os factores que levem às melhores soluções e, para isso, não pode esquecer-se as pessoas que vão sofrer as consequências ou delas beneficiar. As pessoas são a principal componente dos interesses nacionais.

A componente fundamental de um Estado é a Nação, isto é, o conjunto dos cidadãos, e nada deve ser feito em seu prejuízo, mas sim tudo deve ser feito para seu benefício. Não deve ser esquecido o velho lema «Tudo pela Nação, Nada contra a Nação».

Um governante da área das finanças não pode limitar-se a ser «operador de calculadora», a usar apenas os números gerais e estatísticos, dentro das paredes do gabinete, ignorando os portugueses, riscar planos teóricos em papel branco, como se o país não fosse uma geografia variada de pessoas e outros condicionamentos, como diz Santana Lopes ao exortar a troika a deixar de impor medidas de «régua e esquadro». Não podem ser desprezadas sugestões, porque de entre todas pode aparecer algo de muito positivo e útil como esta, de político experiente.


Imagem de arquivo

domingo, 18 de novembro de 2012

NÃO VEJAS COM OS MEUS OLHOS


SENTE NO TEU SER INTERIOR !



 5 FRASES DE UM BANDIDO BILDERBERG

 
5 FRASES DE ALBERT EINESTEIN



 

CLARO QUE NÃO ÉS SÓ ISTO:

Deixa correr a imagem:
TU ÉS MUITO MAISssssssssssss
SENTE-TE
  
PREPARA-TE PARA A 5ª DIMENSÃO




Michio Kaku:

 
 
 
 
 
ENERGIA / a troca dos nossos átomos para fotões !!!
E… TU TENS ESSA ENERGIA
SENTE-A EM TI !
 
 
Não vejas com os meus olhos

SENTE – o  NO TEU SER INTERIOR !

 
 

Vê por favor:

NÓS TEMOS O DEVER DE ser SERES:


 
 
 

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

«Rigor» das «previsões» do Governo

Em situação de crise e de instabilidade, não é fácil acertar em previsões. Em vez de previsões será preferível falar de «resultados esperados» das medidas tomadas com base em estudos e planos estratégicos. Se as medidas forem cuidadosamente preparadas, certamente, será relativamente fácil esperar resultados adequados.

Infelizmente, não tem sido esse o caso no governo actual nem nos anteriores, devido a «qualquer incapacidade» que não tem sido admitida pelos próprios.

Já em 27-04-2012, o Ministro das Finanças confessou erro de previsão e 
admitiu que a taxa de desemprego estava em níveis mais elevados do que o estimado. Isso levou a estranhar a falta de realismo do ministro, pois não podia ser esperado resultado diferente da austeridade que os mais sérios pensadores no sector não se cansavam de criticar e dizer que esse caminho não levaria á solução da crise, antes a agravaria. Era isso que estava a confirmar-se.

Não havia razão para surpresa. Com efeito, a exagerada austeridade retirou o pouco poder de compra daqueles que não podem deixar de gastar em consumo tudo o que ganham (não têm margem para poupar e muito menos para investir em especulação financeira), e que, por isso, agora têm que consumir menos, donde resulta menor facturação nas empresas de comércio, obrigando muitas a fechar. Depois, a redução das vendas provoca a redução da produção e muitas indústrias, à falta de procura, fecham. De tudo isto resulta despedimentos e desemprego. Não havia, realmente, motivo para o espanto do MF. O espanto é dos cidadãos que vêm os governantes a viver completamente alheios às realidades dos portugueses e, portanto, sem inspirarem esperança e confiança num futuro melhor.

Depois, em Agosto, veio a notícia Passos anuncia o fim da recessão em 2013 desmentida poucos dias depois pelas notícias acerca das dificuldades temidas para os meses que se aproximavam e para o OE de 2013.

Agora, surge a notícia Primeiro-ministro diz que desemprego está "em linha com as previsões" que é incompreensível, pois nada consta que fosse previsto para esta data uma taxa de desemprego que bate novo recorde e chega a 15,8%.

Mais uma vez ficamos perplexos sem saber se podemos confiar nas afirmações e garantias de governantes. Para onde nos estão a levar? Quais são as suas «previsões» para os próximos seis meses? E para o próximo Natal, que está à porta?


Imgem de arquivo

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

PARA QUÊ A AUSTERIDADE ???


Neste momento, o comboio da recessão saiu da estação completamente à deriva.
E, já deu lugar ao comboio da crise Planetária financeira e bancária que saiu da estação...
A ilusão de que a contracção dos E.U.A. , E.U. e das economias avançadas seria curta e superficial foi substituída pela certeza de que será longa e muito prolongada.

OU SEJA ESTE SISTEMA FALIU !!!

VÍDEO:
 
 
 
VÍDEO:
 
 
 VÍDEO:
 
 
 
O vídeo de Marcelo
(INSUSPEITO, pois até está ligado ao PODER)
recusado pela Alemanha
 

 
 
VÊ A FARSA :
 
 
 

sábado, 10 de novembro de 2012

Evitar desperdícios



Temos que evitar o secundário e supérfluo para todos termos o necessário e útil.

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Raiva vendada... E.... Mãos estendidas, envergonhadas :'(

 

 
DESgovernantes
vendedores de almas atormentadas
 
SONS de PAZ 
 

domingo, 4 de novembro de 2012

Quem Paga o Estado Social do País

OUVE BEM OS DOIS VÍDEOS DAS DUAS ENTREVISTAS À HISTORIADORA RAQUEL VARELA
e... ACORDAaaaaaaaaaaaaaaaaaa !!!




Raquel Varela, coordenadora do livro:
"Quem Paga o Estado Social em Portugal”

O livro reúne contributos de:
 Anwar Shaikh, Cláudio Katz, Elaine Rossetti Behring, Éric Toussaint, Eugénio Rosa, Felipe Demier, Gilberto Calil, Maria Augusta Tavares, Osvaldo Coggiola, Paulo Nakatani, José Martins, Reinaldo Carcanholo, Raquel Varela, Renato Guedes, Rui Viana Pereira, Savas Michael-Matsas e Valério Arcary.

Quanto pagam e quanto recebem os trabalhadores do Estado? Quanto é transferido do SNS para as PPPs? Quais os direitos conquistados e quais os perdidos nas últimas quatro décadas em Portugal? O que aconteceu em Portugal nos anos 80, com o segundo empréstimo do FMI, a vitória de Cavaco Silva e a entrada na CEE? Quanto pagam e o que recebem do Estado os imigrantes? Estamos perante uma crise cíclica ou em crise permanente desde a década de 70? Há ou não ondas longas na economia? A história da crise de 1929: EUA na era Roosevelt, a frente popular em França, a revolução espanhola e o nazismo. Como vai ser no próximo ciclo de crise sem ter taxas de juro para baixar? Como é que a dívida actua como um mecanismo de acumulação privada de capital? História da formação do Estado-providência europeu. A revolução argentina e a crise grega.
Os novos movimentos sociais: Quem são, o que querem, composição social e tipos de protestos e lutas. Quadro com os planos de austeridade na Europa.
VÊ COMO NOS LIXAM


  

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

A ESCUMALHA e O POVO ...

O País está quase na ruína e os culpados vivem à grande e exibem-se sem qualquer vergonha ou receio, por Portugal e por essa Europa fora!
Dias Loureiro continua na maior, a investir em Cabo Verde e a viver numa luxuosa moradia nos arredores de Lisboa.
Os banqueiros e seus ajudantes administradores que afundaram os Bancos continuam a circular sem qualquer problema, Valentim Loureiro até recebeu uma condecoração, Isaltino de Morais goza com a Justiça, Duarte Lima nunca mais vai ser julgado pelo que fez ao BPN e tantos outros que em conjunto foram os responsáveis pela subida da dívida externa para 120% do nosso PIB!
E já ninguém se lembra do roubo colossal que foi a utilização das verbas que a CEE nos entregou para formação!
Aquilo é que foi “fartar vilanagem”!
Quantos enriqueceram abotoando-se com milhares de milhões!
Algum foi punido por esta ridícula Justiça que temos?
Nem um !
Lembram-se de quem era o Primeiro Ministro na altura?
Os dois ou três que foram acusados acabaram por ver o crime prescrever!
E, no entanto, quem está a ser chamado a pagar todo o mal que aquela gentalha nos fez, a ficar arruinado, a ver o fim da sua vida sem perspectiva de uma reforma digna, que mal dando para sobreviver, vêm chegar a sua casa os filhos e, às vezes, até os netos, todos desempregados, quem é?
Nós todos, os que não enveredaram por uma carreira política ou não pertencemos às grandes famílias dos banqueiros e seus adjuntos!
Sim, estamos a pagar por milhares de crimes que não cometemos e pelo roubo de milhares de milhões!
E tal iniquidade e injustiça começam a criar uma raiva e um ódio para com todos os responsáveis pelo que está a acontecer!
Acredito plenamente que um dia chegará o momento em que uma enxurrada violenta varrerá toda essa escumalha!
E não haverá comiseração nem piedade! 
 


E agora, vêem os do FMI ajudar a cortar nas despesas com Saúde, Educação e Defesa. Mas os teóricos do FMI, com ideologia semelhante à dos nossos teóricos, fomentadores e gestores da austeridade, não conseguirão deixar a obsessão do aumento do fisco e dos cortes das despesas úteis no apoio aos mais desfavorecidos. Não é crível que, com os apoios tendenciosos, dos burocratas nacionais tomem posição contra os «administradores» dos tais 1520 organismos referidos por Marques Mendes, crendo-se que muitos destes são apoiados pelo sector político, em resultado de trocas de favores ou de outros factores de amizade.
O que será de nós. Portugueses ???


E O POVO ???

Terá de LUTAR em SUA LEGITIMA DEFESA !

PREOCUPEM-SE
SÉRIAMENTE 
ou...


dia 12 a “chefe” da ESCUMALHA fecha o País