quarta-feira, 4 de abril de 2012

Função pública

Depois serão os outros...


Professores dos quadros em risco


«O Ministério da Educação e Ciência (MEC) não sabe o que fazer aos professores do quadro que ficarão sem horário graças à revisão curricular». É esta a certeza com que saiu do encontro com o MEC José Alberto Rodrigues, da Associação de Professores de Educação Visual e Tecnológica (APEVT) – uma das áreas curriculares que mais horas vão perder com o novo currículo.
«O Ministério quer ideias para o que fazer com estes docentes», acrescenta José Alberto Rodrigues, que estima que três mil professores de EVT dos quadros deixarão de ter turmas para leccionar, com o fim do par pedagógico (aulas dadas por dois professores) e a passagem de Educação Tecnológica (ET) – que até aqui era obrigatória no 3.º Ciclo – a oferta de escola opcional.
Esta mudança vai, aliás, ter consequências na disciplina de Educação Musical no 3.º Ciclo. «Com a passagem a oferta de escola de ET, é natural que as escolas deixem cair a oferta de Música neste ciclo», comenta Manuela Encarnação da Associação de Professores de Educação Musical (APEM).
Esta associação não tem números sobre quantos docentes dos quadros podem ficar sem horários graças a estas mudanças, mas as contas da Federação Nacional de Professores (Fenprof) apontam para um valor global de cerca de dez mil professores – de várias áreas – que deixam de ter o que fazer nas escolas.
«É trágico para muitos professores que vão perder o emprego», afirma Manuela Encarnação, enquanto José Alberto Rodrigues conta que no Facebook da APEVT se têm acumulado relatos de «indignação e desânimo» de docentes que não sabem o que o futuro lhes reserva.
Contactado pelo SOL, o gabinete do ministro Nuno Crato não avança números de professores que podem ficar sem horários, explicando que «qualquer estimativa só poderá ser feita após a constituição de turmas pelos estabelecimentos de ensino». E também não revela qual a poupança que pode ser alcançada com estas medidas, apesar de ter sido traçado o objectivo orçamental de cortar cerca de 100 milhões de euros em custos com pessoal.
A mesma fonte sublinha que «a revisão da estrutura curricular não põe em causa os lugares dos docentes do quadro» e adianta que, «quanto aos restantes, estão a ser equacionadas alternativas».
Uma das ideias que saiu da reunião, esta quarta-feira, entre a APEVT e o secretário de Estado do Ensino, João Casanova, passa por pôr docentes das áreas de Expressão (como EVT e Música) a dar apoio a actividades do 1.º Ciclo. José Alberto Rodrigues diz, porém, que «não é claro em que moldes vão operacionalizar» esta ideia e que não está sequer definida «uma grelha específica com horas a atribuir».

Estudo na componente não lectiva

Certo é que o anunciado Apoio ao Estudo – que será opcional para os alunos – não dará mais horas de aulas aos docentes do quadro, uma vez que, como avançou ao SOL fonte oficial do MEC, este «deverá ser integrado na componente não lectiva de trabalho dos professores».




Subsídios de férias e de Natal só
vão ser repostos a partir de 2015



Corte não termina no fim de 2013 e vai durar mais um ano. Em entrevista à Renascença, Pedro Passos Coelho diz ainda que a reposição dos 13º e 14º meses vai ser feita de forma gradual. Primeiro-ministro defende também a redistribuição dos subsídios por 12 salários e refere que o programa de ajuda externa dura até 2014.
Os subsídios de férias e de Natal dos funcionários públicos só começam a ser repostos a partir de 2015, um ano mais tarde que o anunciado até aqui. Em entrevista à Renascença, o primeiro-ministro avança ainda que a reposição dos 13º e 14º meses não vai abranger logo de imediato todos os funcionários públicos, já que vai ser feita de forma gradual.
“Às vezes, parece que gostamos de arranjar sarna para nos coçar”, começa por dizer Pedro Passos Coelho a propósito deste assunto. O primeiro-ministro acabou por assumir que não haverá condições para a reposição automática de ambas as prestações.
Em entrevista à Renascença, Passos Coelho admite mesmo que a diluição dos subsídios por 12 meses é uma possibilidade na qual vê vantagens. Ou seja, todos os trabalhadores – público e privados – podem passar a receber 12 salários e não 14, sendo o valor dos 14 redistribuído pelos 12. OU SEJA FICAM SÓ COM OS 12 ACTUAIS.
O primeiro-ministro diz ainda que o país não tem condições para reforçar os apoios sociais. “Não há dinheiro para isso”, afirma. Quanto a diminuição de gastos que possam resultar da renegociação das parcerias público-privadas, espera que venha a conseguir poupar, mas refere que esse dinheiro será usado para “aliviar a pressão” sobre os futuros orçamentos.
O chefe do Governo reafirma que não vai rever a estimativa de desemprego para este ano, porque acredita que o segundo semestre “vai correr melhor” e, em 2013, considera que vai haver recuperação económica que permita a Portugal regressar aos mercados.
Em princípio, será a Irlanda a regressar "primeiro aos mercados" e Passos admite serem necessárias “pontes” que ajudem ambos os países nesse regresso. Ainda assim, acrescenta que não foi do Governo que partiu qualquer pedido ou informação nesse sentido.

Depois serão os outros do privado...




O POVO JÁ TEM FOME

TERÁ DE ROUBAR PARA PAGAR PARA PAGAR A ESTES VIGARISTAS ???

Oh amigos não é melhor vender o País ?

Ok só uma pequena parte pois os Grupos Económicos já são os donos !

Sem comentários:

Enviar um comentário